sexta-feira, 19 de novembro de 2010

A tarde sobe.



Ao rés da Terra o tempo é escuro
Mas a tarde sobe, se ergue no ar tranqüilo e doce
A tarde sobe!
No alto se ilumina, se esclarece.
E paira na região iluminada.

Sobe, desfaz a trama de entrelaços
Superpostos na maneira dos esquadros
Sobre o chão aos poucos escurecendo.
Sobe: No meio da parte densa.

Sobe alva, serena para as estrelas
Que irão em breve aparecer,
Luzindo, no princípio da noite;
No espaço branco em que se completa
Preenchendo o centro e a esquerda
Branco que saiu limpo
De um fundo escuro de hachuras.

A tarde sobe!
Sobe até o zênite dando aos que passam
A paz e a serenidade do entardecer.

A tarde sobe pura e macia!
As linhas de baixo se inclinam
Se afastam e vão deixá-la subir.
Joaquim Cardozo.

4 comentários:

  1. Meninas, eu não sei vocês, mas esse poema me lembrou muito po Tecendo a manhã, do João Cabral de Melo Neto.

    ResponderExcluir
  2. saudade das minhas tardes de verão, nas férias, lá no Sul!

    ResponderExcluir
  3. Que imagem bonita cria esse poema!

    ResponderExcluir
  4. Dani lembra mesmo poema de João CAbral de Melo Neto. Muito bonita a imagem que cria dessa vez sobre a tarde.

    ResponderExcluir