domingo, 27 de fevereiro de 2011

assumo minha solidão


E eis que sinto que em breve nos separaremos. Minha verdade espantada é que eu sempre estive só de ti e não sabia. Agora sei: sou só. Eu e minha liberdade que não sei usar. Grande responsabilidade de solidão. Quem não é perdido não conhece a liberdade e não a ama. Quanto a mim, assumo minha solidão. Que às vezes se extasia diante de fogos de artificio. Sou só e tenho que viver uma certa glória íntima que na solidão pode se tornar dor. E a dor, silêncio. Guardo seu nome em segredo. Preciso de segredos para viver.

Clarice Lispector

2 comentários:

  1. "Minha verdade espantada é que eu sempre estive só de ti e não sabia."
    Lindo!!

    ResponderExcluir
  2. "Preciso de segredos para viver."
    Maravilhoso!

    ResponderExcluir