quinta-feira, 21 de julho de 2011

Quando fui chuva...



Quando já não tinha espaço pequena fui
Onde a vida me cabia apertada
Em um canto qualquer acomodei
Minha dança os meus traços de chuva
E o que é estar em paz
Pra ser minha e assim ser tua

Quando já não procurava mais
Pude enfim, usar os teus vestidos d'água
Me atirar tranqüila daqui
Lavar os degraus, os sonhos e as calçadas

E assim no teu corpo eu fui chuva
Jeito bom de se encontrar
E assim no teu gosto eu fui chuva
Jeito bom de se deixar viver

Nada do que eu fui me veste agora
Sou toda gota, que escorre livre pelo rosto
E só sossega quando encontra a tua boca

E mesmo que em ti me perca
Nunca mais serei aquela
Que se fez seca
Vendo a vida passar pela janela

Quando já não procurava mais
Pude enfim, nos olhos teus vestidos d'água
Me atirar tranquila daqui
Lavar os degraus, os sonhos e as calçadas
E assim no teu corpo eu fui chuva
Jeito bom de se encontrar 
E assim no teu gosto eu fui chuva
Jeito bom de se deixar viver.




Quando fui chuva, de Maria Gadú.
Ouçam aqui.

3 comentários:

  1. Amei!Em agosto tem show da Gadú aqui em Brasília, a gente podia ir!!

    ResponderExcluir
  2. Aiii, eu bem que quero, porque eu sou apaixonadaaaa nessa cantora!

    ResponderExcluir