quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Palpitar da seiva


Eu amava Capitu! Capitu amava-me! E as minhas pernas andavam, desandavam, estacavam, trêmulas e crentes de abarcar o mundo. Esse primeiro palpitar da seiva, essa revelação da consciência a si própria, nunca mais me esqueceu, nem achei que lhe fosse comparável qualquer outra sensação da mesma espécie. Naturalmente por ser minha. Naturalmente também por ser a primeira.

Machado de Assis, Dom Casmurro.

3 comentários:

  1. Que livro! Sempre sutil, ironico, inteligente. To separando mil trechos!!

    ResponderExcluir
  2. Ler Machado é sempre uma experiência maravilhosa, única!

    ResponderExcluir